Em um ano de pandemia, cerca de 15 mil exames RT-PCR para detecção de covid-19 foram realizados pelos três laboratórios de testagem da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Desde abril de 2020, os laboratórios têm auxiliado no diagnóstico molecular da doença na Paraíba por meio da análise de amostras de todo o Estado enviadas pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-PB).

Dados do projeto Laboratórios de Campanha, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), rede formada por 13 universidades brasileiras em setembro do ano passado, apontam que a UFPB ocupa o 2ª lugar no Nordeste – atrás da Federal de Pernambuco (UFPE) – e a 6ª posição no País em testagem RT-PCR swab (nasofaringe), com 6.010 testes. Quando a modalidade é o teste RT-PCR por saliva, a federal paraibana é a 2ª do país entre as 13 universidades, atrás somente da federal do Paraná, com 211 exames realizados (até 15 de mar ço deste ano).

Um dos coordenadores do projeto na UFPB, o Prof. Bruno Galvão, do Centro de Ciências da Saúde (CCS), explicou que, no início da pandemia, a média diária era de análise de 40 amostras recebidas do Lacen-PB. Com a entrada da Universidade no projeto, a realização dos testes tem sido ampliada, chegando, atualmente, a uma média de 200 testes por dia, que incluem as amostras colhidas na Sala de Testagem instalada no Centro de Ciências Médicas (CCM) para atendimento à comunidade acadêmica.

“A UFPB vem ganhando destaque em sua produtividade. A Universidade, por meio das ações de enfrentamento à covid-19, vem ampliando a testagem na Paraíba e da comunidade acadêmica”, asseverou o Prof. Bruno Galvão.

Ainda de acordo com Galvão, mesmo com as novas variantes do Sars-Cov-2, os exames feitos na federal paraibana continuam sendo confiáveis pois são sensíveis à detecção das novas cepas identificadas na Paraíba.

Na UFPB, fazem parte do projeto Laboratórios de Campanha 14 docentes dos centros de Ciências Médicas (CCM) e da Saúde (CCS), que atuam no Laboratório de Biologia Molecular (Labimol/CCM), no Laboratório de Endemias (CCS) e no Laboratório de Biologia Molecular Aplicada, da Escola Técnica de Saúde (ETS/CCS). O Prof. Eduardo Sérgio, diretor do CCM, é o coordenador-geral do projeto.

As outras universidades públicas que integram os Laboratórios de Campanha são as federais de Minas Gerais (UFMG); do Paraná (UFPR); de Pernambuco (UFPE); de Mato Grosso do Sul (UFMS); do Rio de Janeiro  (UFRJ); de São Paulo (Unifesp); de Santa Maria (UFSM); Fluminense (UFF); de Goiás (UFG); do Oeste da Bahia (UFOB); do Amazonas (UFAM); e a Estadual de Santa Cruz (UESC).